Nogueira Editorial

Livros


Deixe um comentário

Inglês de negócios – melhorando a comunicação part I

 Escrever em inglês é um terror para muita gente. Apresentar um relatório ou redigir um simples e-mail pode fazer suar frio. Há o “São Google” com sua incrivel habilidade de tradução mas toda sua tecnologia não consegue imprimir o ritmo humano da comunicação. Então, o que fazer? Nada…além de estudar e aprender os macetes da lingua inglesa. Para isso resolvi postar dicas de um site muito procurado no exterior para inglês de negócios que é o: www.mindtools.com . Neste site são apresentadas ferramentas, cursos e dicas sobre redação. Obviamente que tudo esta em inglês.  De maneira simplificada  e didatica, o aluno, consegue desenvolver seu texto e aprimorar a escrita. Reiteramos que para qualquer desenvolvimento, seja em idioma estrangeiro ou no nosso portugues, é necessario leitura e aprimoramento do vocabulario. Esquecer a leitura é um erro terrivel e pode representar a diferença entre uma bem sucedida carreira e o “escravagismo”. Lembre-se que o sucesso profissional começa com uma formação diferenciada. Muitas vezes esta formação não esta apenas no banco das universidades! Enjoy your trip….

 Plan before you start writing (planeje antes de começar a escrever.)

 A colleague has just sent you an email relating to a meeting you’re having in one hour’s time. The email is supposed to contain key information that you need to present, as part of the business case for an important project. But there’s a problem: The email is so badly written that you can’t find the data you need. There are misspellings and incomplete sentences, and the paragraphs are so long and confusing that it takes you three times more than it should to find the information you want. As a result, you’re under-prepared for the meeting, and it doesn’t go as well as you want it to.

Have you ever faced a situation similar to this? In today’s information overload world, it’s vital to communicate clearly, concisely and effectively. People don’t have time to read book-length emails, and they don’t have the patience to scour badly-constructed emails for “buried” points. The better your writing skills are, the better the impression you’ll make on the people around you – including your boss, your colleagues, and your clients. You never know how far these good impressions will take you! In this article, we’ll look at how you can improve your writing skills and avoid common mistakes.

Audience and Format

The first step to writing clearly is choosing the appropriate format. Do you need to send an informal email? Write a detailed report? Create advertising copy? Or write a formal letter? The format, as well as your audience, will define your “writing voice” – that is, how formal or relaxed the tone should be. For instance, if you write an email to a prospective client, should it have the same tone as an email to a friend?

Definitely not.

Start by identifying who will read your message. Is it targeted at senior managers, the entire human resources team, or a small group of engineers? With everything you write, your readers, or recipients, should define your tone as well as aspects of the content.

Composition and Style

Once you know what you’re writing, and for whom you’re writing, you actually have to start writing.

A blank, white computer screen is often intimidating. And it’s easy to get stuck because you don’t know how to start. Try these tips for composing and styling your document:

  • Start with your audience – Remember, your readers may know nothing about what you’re telling them. What do they need to know first?
  • Create an outline – This is especially helpful if you’re writing a longer document such as a report, presentation, or speech. Outlines help you identify which steps to take in which order, and they help you break the task up into manageable pieces of information.
  • Use AIDA – If you’re writing something that must inspire action in the reader, follow the Attention-Interest-Desire-Action (AIDA) formula. These four steps can help guide you through the writing process.
  • Try some empathy – For instance, if you’re writing a sales letter for prospective clients, why should they care about your product or sales pitch? What’s the benefit for them? Remember your audience’s needs at all times.
  • Use the Rhetorical Triangle – If you’re trying to persuade someone to do something, make sure that you communicate why people should listen to you, pitch your message in a way that engages your audience, and present information rationally and coherently. Our article on the Rhetorical Triangle can help you make your case in the most effective way.
  • Identify your main theme – If you’re having trouble defining the main theme of your message, pretend that you have 15 seconds to explain your position. What do you say? This is likely to be your main theme.
  • Use simple language – Unless you’re writing a scholarly article, it’s usually best to use simple, direct language. Don’t use long words just to impress people.

Structure

Your document should be as “reader friendly” as possible. Use headings, subheadings, bullet points, and numbering whenever possible to break up the text. After all, what’s easier to read – a page full of long paragraphs, or a page that’s broken up into short paragraphs, with section headings and bullet points? A document that’s easy to scan will get read more often than a document with long, dense paragraphs of text. Headers should grab the reader’s attention. Using questions is often a good idea, especially in advertising copy or reports, because questions help keep the reader engaged and curious.

In emails and proposals, use short, factual headings and subheadings, like the ones in this article. Adding graphs and charts is also a smart way to break up your text. These visual aids not only keep the reader’s eye engaged, but they can communicate important information much more quickly than text.

Grammatical Errors

You probably don’t need us to tell you that errors in your document will make you look unprofessional. It’s essential to learn grammar properly, and to avoid common mistakes that your spell checker won’t find. Here are some examples of commonly misused words:

  • Affect/effect
    • “Affect” is a verb meaning to influence. (Example: The economic forecast will affect our projected income.)
    • “Effect” is a noun meaning the result or outcome. (Example: What is the effect of the proposal?)
  • Then/than
    • “Then” is typically an adverb indicating a sequence in time. (Example: We went to dinner, then we saw a movie.)
    • “Than” is a conjunction used for comparison. (Example: The dinner was more expensive than the movie.)
  • Your/you’re
    • “Your” is a possessive. (Example: Is that your file?)
    • “You’re” is a contraction of “you are.” (Example: You’re the new manager.)
    • Note: Also watch out for other common homophones (words that sound alike but have different spellings and meanings) – such as their/they’re/there, to/too/two, and so on.
  • Its/it’s
    • “Its” is a possessive. (Example: Is that its motor?)
    • “It’s” is a contraction of “It is.” (Example: It’s often that heavy.) (Yes, it is this way around!)
  • Company’s/companies(and other possessives versus plurals)
    • “Company’s” indicates possession. (Example: The company’s trucks hadn’t been maintained properly.)
    • “Companies” is plural. (Example: The companies in this industry are suffering.)

To learn more about commonly misused words, misused apostrophes, and other grammatical errors, take our Bite-Sized Training session on Written Communication. 

Tip:
Some of your readers – arguably an increasing number – won’t be perfect at spelling and grammar. They may not notice if you make these errors. But don’t use this as an excuse: there will usually be people, senior managers in particular, who WILL notice! Because of this, everything you write should be of a quality that every reader will find acceptable. 

Proofing

The enemy of good proofreading is speed. Many people rush through their documents, but this is how you miss mistakes. Follow these guidelines to check what you’ve written:

  • Proof your headers and subheaders – People often skip these and focus on the text alone. Just because headers are big and bold doesn’t mean they’re error free!
  • Read the document out loud – This forces you to go more slowly, so that you’re more likely to catch mistakes.
  • Use your finger to follow text as you read – This is another trick that helps you slow down.
  • Start at the end of your document – Proofread one sentence at a time, working your way from the end to the beginning. This helps you focus on errors, not on content.

 

Key Points

More than ever, it’s important to know how to communicate your point quickly and professionally. Many people spend a lot of time writing and reading, so the better you are at this form of communication, the more successful you’re likely to be. Identify your audience before you start creating your document. And if you feel that there’s too much information to include, create an outline to help organize your thoughts. Learning grammatical and stylistic techniques will also help you write more clearly; and be sure to proof the final document. Like most things, the more you write, the better you’re going to be!

 

Boa leitura!


Deixe um comentário

leitura e capacitação profissional

Capacitação profissional é o atual desafio da economia brasileira. Investir na educação tem se mostrado a melhor opção para que as empresas avancem no mercado globalizado. Para que o Brasil possa acompanhar o desenvolvimento economico é necessario investir, pesado, na educação e qualificação dos trabalhadores. Em pesquisa recente, empresarios, tem culpado a fraca educação básica aplicada nas escolas brasileiras. Porém o que não se comenta é que a educação não se restringe apenas aos ensinamentos aplicados na escola. A educação passa pela leitura e pelo desenvolvimento da criatividade. Falta de informação tem atrasado e atrapalhado a capacitação do trabalhador brasileiro.  Leitura se faz necessaria em todos os niveis. O que as empresas tem feito para melhorar esta situação? Investem na capacitação educacional dos seus colaboradores? Incentivam a leitura ? O que você faz pela sua carreira? É comum encontrar profissionias, com duas ou mais faculdades,  inseguros na hora de redigir um relatório ou falar em público. Muitos, após concluir a faculdade, nem se dão ao trabalho de ler.  Apelam para o Google ou resumos. Não percebem que a leitura e o aumento de vocabulario fazem a “enorme” diferença no desempenho profissional. Que tal começar a incorporar a leitura no seu plano de estudos? A leitura desperta a criatividade. Que tal incluir o livro na cultura organizacional da sua empresa? Clique na foto e descubra a sua vaga no mercado de trabalho.


Deixe um comentário

Livro social – Idéias para uma nova leitura

Livro no Brasil é caro. Estamos distantes de alcançar a realidade argentina ou europeia. Com livrarias de sobra e publicações  novas que alcançam os milhares de exemplares. Nossa realidade é modesta apesar da dimensão continental e do vasto público.  Editar um livro não é tarefa facil e os custos acabam esmagando o livreiro e o leitor na ponta da cadeia de produção. Mas os incentivos aparecem. Já não se paga impostos para importar livros. O custo tem caido nas graficas e com a tecnologia ficou mais tranquilo lançar tiragens baixas. Porém não há uma politica voltada para a difusão do livro em todas as classes. O livro torna-se objeto de luxo e dispensavel. O que atrasa o desenvolvimento e empobrece a mentalidade nacional. Vivemos um surto de Mega livrarias, apinhadas de livros da moda e todo tipo de atração tecnologica. Não sou contra mas prefiro as velhas e tradicionais livrarias. Os sebos e as prateleiras de madeira. É mais original e solene. Pretendemos oferecer livros com preço convidativo e disseminar a leitura. Este vicio precisa ser repassado. Nas escolas, empresas, em casa, no bairro e até mesmo no bar. Mas precisamos, livreiros e livrarias, garantir uma fatia aos que querem mas não podem arcar com preços altos. Aos que desejam ler mais de 01 ou 02 livros por mês, mas não o fazem por falta de verba e opção.  Para isso estamos lançando o livro social. Livros que terão custo bem reduzido e que trazem além do conteúdo uma boa impressão e acabamento gráfico. O objetivo é difundir o livro e criar público para livrarias, sites, blogs e bibliotecas.  Iniciamos esta campanha no nosso site com titulos que estão a R$10,00 (com frete gratis). É o caso dos livros: “Ética reflexões contemporâneas – editora arauco,  “Relação de consumo” de Rodrigo Priolli de Oliveira Filho. Pretendemos, ao longo do tempo, oferecer do livro universitario ao romance .  E acreditamos que os livros são a melhor maneira de educar e civilizar. Que tal se as empresas incluissem este item no seu pacote de benesses aos funcionarios?  Certamente haveria melhora na escrita, idéias e comunicação dos colaboradores…mas isto é outra historia.

Onde encontrar: www.artlivros.com

Compare os preços na Internet e veja porque fazemos a diferença.


Deixe um comentário

MBAs querem que alunos saibam escrever – wall street journal

Diana Middleton
The Wall Street Journal

Alex Stavros, um estudante do segundo ano na Faculdade Stanford de Pós-Graduação em Administração, vinha propondo a possíveis investidores seu plano de um resort ecológico de luxo havia meses, mas sem nenhum sucesso. Ele notou que os investidores perdiam o interesse após os primeiros minutos de sua apresentação e demoravam para responder aos e-mails. Então Stavros pediu ajuda de um dos tutores de redação da Stanford durante seis semanas, para ajudá-lo a melhorar suas apresentações e editar sua proposta. Depois das instruções, sua proposta foi reduzida de 113 para 64 palavras e ele eliminou três tópicos desnecessários. “Em minha carreira de consultor, cada slide era um amontoado de dados quantitativos com números e gráficos, que eu achava que provavam que eu havia feito o trabalho”, diz. “Agora, minhas apresentações são mais simples, mas mais eficazes.”  Embora os estudantes de MBA que são exímios nos cálculos sejam valorizados pelos empregadores, suas habilidades de redação e apresentação são uma eterna fonte de reclamações. Os empregados e tutores de redação dizem que os formandos das escolas de administrações tendem a falar demais além do tema, usar vocabulário pretensioso e redigir e-mails muito informais. Ao mesmo tempo, a habilidade de redação dos candidatos à admissão nos programas de MBA parece estar piorando: segundo o Conselho de Seleção de Pós-Gradução em Administração dos Estados Unidos (GMAC), que realiza o teste de admissão GMAT, a média de pontuação das redações caiu de 4,7 em 2007 para 4,4 em 2010, numa escala cuja nota máxima é 6 pontos. É difícil mensurar a qualidade de textos e ainda não se sabe porque ela está caindo. Segundo um porta-voz do GMAC, o declínio na pontuação das redações pode ser causado pelo número maior de candidatos estrangeiros que fazem o exame. No período 2009-2010, foram 136.918 estudantes estrangeiros que fizeram o GMAT, um aumento de 35% sobre 2007, informa o GMAC. Sharon Washington, diretora executiva do Projeto Nacional de Redação em Berkeley, na Califórnia, diz que as escolas de ensino médio e as faculdades de graduação diminuíram o ênfase na redação em seus currículos escolares, e a comunicação constante em meio digital corroeu a habilidade de escrita dos alunos. “A boa notícia com as mensagens de texto é que pelo menos estão escrevendo mais”, diz Washington. A pedido das próprias empresas, muitas escolas de administração estão adotando medidas para melhorar a escrita dos alunos. A Faculdade Wharton, da Universidade da Pensilvânia, planeja dobrar a parte de comunicação do currículo para 12 aulas a partir de 2012. No semestre passado, todos os estudantes do primeiro ano competiram num concurso obrigatório de redação, que pediu aos estudantes que escrevessem textos curtos sobre vários temas. A competição se tornará permanente no novo currículo do MBA da faculdade. A Faculdade Simon de Pós-Graduação em Administração, da Universidade de Rochester, contratou dois professores de redação no semestre passado depois que as empresas reclamaram da falta de habilidade dos formandos, diz o reitor, Mark Zupan. A Faculdade de Administração de Empresas da Universidade Northeastern também incrementou o ensino de redação no semestre passado: os trabalhos de vários estudantes recebem agora duas notas, uma do professor e outra do instrutor de redação. O ex-presidente da comissão de valores mobiliários dos Estados Unidos Arthur Levitt, há muito um defensor do “inglês compreensível” nos negócios e no governo, diz que a escrita empresarial geralmente é ininteligível. “Falta cor e nuança, e não é muito interessante de ler”, diz ele. Os estudantes de MBA geralmente têm que desaprender maus hábitos, como usar palavras complicadas em vez de simples, diz Carter Daniel, diretor do programa de comunicação corporativa da Faculdade de Administração Rutgers. Uma das redações mais curtas da Northeastern geralmente é a que tem mais erros. Os alunos do curso de Marketing e Valor do Cliente têm que escrever um e-mail convincente de menos de 150 palavras persuadindo executivos a adotar uma estratégia de marketing. Os estudantes raramente são diretos, diz Bruce Clark, coordenador de redação do programa de MBA. “A primeira oração deveria começar com ‘A questão mais importante aqui é…’ Mas você ficaria surpreso de saber que poucos estudantes fazem isso”, diz ele. A redação também prejudica os estudantes depois da formatura. Segundo gerentes da fabricante de alimentos General Mills Inc., que contrata cerca de 50 formandos em MBA por ano, os mestres em administração entendem os dados mas nem sempre comunicam de maneira eficiente as pesquisas de marketing. Os MBAs recém-contratados “tendem a descrever seus métodos analíticos para mostrar que são bons no que fazem”, diz Angela Rassi, gerente de marketing e vice-diretora da equipe de recrutamento da General Mills. “Na verdade o que queremos ouvir são as implicações da pesquisa.” Os empregados são treinados em redação persuasiva depois de contratados, diz Stephanie Lilak, diretora de pessoal da General Mills. Os estudantes de MBA muitas vezes têm dificuldade quando precisam adaptar seus escritos para vários públicos, diz Keisha Smith, chefe mundial de recrutamento do Morgan Stanley. Os redatores das notas de pesquisa são incentivados a desenvolver estilo próprio quando escrevem recomendações opinativas sobre ações, mas às vezes têm problemas para apresentar a informação aos clientes em e-mails. Alguns tendem a escrever longos e-mails quando é necessária apenas uma lista curta, diz ela. No Morgan Stanley, os gerentes revisam os e-mails dos recém-contratados antes que eles sejam enviados aos clientes, diz ela. A escrita também é supervisionada de perto na Booz Allen Hamilton Inc., onde os recém-contratados da faculdade de administração não têm autorização para escrever sozinhos as propostas até que tenham aperfeiçoado as habilidades de redação, diz Chris Carlson, sócio sênior de recrutamento universitário. E, embora os recém-contratados troquem até 200 e-mails por dia, ele ainda percebe uma tendência de redigi-los como torpedos de celular. “Não há orações completas”, diz ele. Nem todos os estudantes consideram importante o reforço de redação. Quando a Faculdade de Administração Johnson, da Universidade Cornell, ofereceu matérias optativas para os estudantes de MBA executivo, uma delas era uma aula de redação e outra oferecia comunicação oral. Como os estudantes preferiram a aula oral, não houve alunos suficientes para completar a turma de redação, diz Douglas Stayman, vice-reitor dos programas de MBA.

 Moral da história: Escrever pode fazer a diferença na carreira de qualquer executivo que se preze.

 


Deixe um comentário

Dados sobre leitores e livros no Brasil

  A tragédia Nacional não é composta apenas de dados sobre segurança pública ou saúde. Ela apresenta dados alarmantes quando tratamos do assunto “LIVRO” e “LEITORES”. Pode parecer estranho mas no cerne desta pesquisa esta a resposta para os indices aludidos acima. Sem educação e carentes de informação o País produz uma imensa massa de desinformados. Porém, eleitores. Que tal prestar atenção nos dados abaixo e começar a divulgar o livro. Na sua casa, no ambiente de trabalho, na escola do seu filho, na vizinhança. Tenha certeza de que só desta maneira poderemos mudar alguma coisa. Afinal, em pleno século XXI é possivel notar atos de verdadeira barbarie e imenso atraso cultural em quase todas as regiões do Brasil. Atraso, muitas vezes, ocorrido pela total ignorância em que se encontra mergulhada a população. Tudo isso pode e deve ser minimizado pela educação. Um País se constroi com homens e livros. Pode acreditar. Apenas uma informação: Na Argentina, em 2006, foram publicados 85 milhões de livros, sendo 18 milhões novos titulos. Vamos aos dados da pesquisa realizada pelo Instituto Pró-Livro e o IBOPE:

 

95 Milhões são leitores – 55% da população

77 Milhões não são leitores – 45% da população (Eu acredito que este nº seja maior)

O Brasileiro lê em média 4,7 livros por ano

Região Sul – 5,5 livros por ano, média habitante

Região Sudeste – 4,9 livros

Região Centro-Oeste – 4,5 livros

Nordeste – 4,2 livros

Norte – 3,9 livros (Absurdo!)

Mulheres – 5,3 livros (média nacional)

Homens – 4,1 livros (média nacional)

Pesquisa realizada entre 2000 e 2001, em 44 municipios.

Para saber mais acesse: www.prolivro.org.br

 


Deixe um comentário

Escrever bem é fundamental

Escrever, bem, é fundamental. A  escrita liga nosso interior ao mundo exterior. É diferença entre “profissional” e “amador”. Fala-se do desenvolvimento econômico e das oportunidades que surgem, nestes dias pré-copa do mundo, no Brasil. Porém, a realidade nos defronta com grave problema. Falta de leitura e vocabulario dos profissionais. E, isto não escolhe area de atuação ou hierarquia. Atinge do operacional ao executivo. Não bastasse a falta de técnicos no mercado é absurda a necessidade das empresas trabalharem a formação “humana” dos seus colaboradores. Falta de leitura e informação colocam o nosso profissional entre os mais atrasados do mundo. E isto reflete na Falta de profissionalismo com que tratam seus potenciais clientes. Obviamente,  empresas não querem um setor de poetas ou dramaturgos. Mas e-mail bem escrito e  memorando bem redigido fazem a diferença. Empresas como Aple e Microsoft provam que liberdade de criação e desenvolvimento intelectual geram faturamento e produtividade. Empresas que não alimentam a criatividade dos seus colaboradores estão fadadas ao declinio. O desenvolvimento começa através da leitura. Não apenas aquelas que falam sobre ambiente e comportamento corporativo. Mas leituras que despertem criatividade e inquietação. A formação de pequenas  bibliotecas dentro dos setores estimula o debate e troca de idéias. Uma pausa para aprimorar a escrita e o vocabulario fazem a diferença nas comunicações internas e externas. Melhorando, muito, a produtividade e o contato externo.  Pequenas, médias ou grandes empresas. Não importa. Importa a atitude. E esta, deve ser sempre aquela que escolhe o ser  como prioridade e o conhecimento como estrada. Esta procurando uma vaga ou quer colocar seu Curriculum na praça? Clique na foto acima e descubra sua vaga.

Boa leitura!

 


Deixe um comentário

2011 – Artlivros Blog

2011 inicia como uma promessa de felicidade. Durante 2010 procuramos definir o formato do Blog e compartilhar conteudos relacionados a arte e aos livros. Manter um blog não é tarefa muito tranquila.  Agradar ao leitor, com os posts escolhidos, é tarefa complicada. Em 2010, foram 112 artigos ao longo dos meses. 17.000 visitas. Em 2011,  profissionalizar e trazer temas relevantes aos que buscam informações sobre antiguidades, livros raros, escritores e fotografia é a meta principal. A intenção da ARTLIVROS é difundir o livro como ferramenta de crescimento social. Buscamos vender livros de qualidade com preço acessivel.  Acreditamos que somente a cultura e a difusão da leitura podem tornar o Brasil mais justo. A leitura melhora o desempenho profissional e faz com que outras fronteiras se abram. Tornando-nos mais criativos e conscientes do nosso papel diante dos fatos da vida. Um luxo ao alcance de todos. Em 2011 o dialogo continua…Boa Leitura e um FELIZ ANO NOVO!

Visite nosso site: www.artlivros.com

 


Deixe um comentário

Empresas e livros IV – Competências emocionais (comunicação escrita)

 O Dr. Kenneth M. Nowack, psicólogo americano de renome e figura de destaque no campo da pesquisa dos recursos humanos, há mais de 20 anos desenvolve e aprova ferramentas, avaliações e testes de inteligência emocional. Nowack definiu 17 competências emocionais básicas  que seguem a linha do Dr. Goleman e que se dividem em três áreas diferenciadas: a autogestão, a gestão das relações e comunicações. A competência da comunicação escrita encontra-se na área especifica da comunicação. E esta competência só evolui e torna-se clara através da leitura e do gosto pelos livros. Os livros tem importante função para o desenvolvimento das aptidões que implicam habilidade em controlar e administrar emoções. Este controle pode significar um rendimento superior no âmbito pessoal e de trabalho. Pode parecer estranho ou nada familiar esta constatação. Pois não é comum as empresas, livros voltados para a formação de executivos e afins tocarem neste tema. Não era a toa que Monteiro Lobato escreveu a famosa frase: ” Um País se constrói com homens e livros”. A leitura contribui, sensivelmente, para a melhora da escrita e da comunicação verbal. Fatores preponderantes para o desenvolvimento pessoal e profissional. Muitas pessoas estudam somente com o objetivo de conseguir um emprego, e é essa, aparentemente, toda a inspiração que têm na vida. Para se educar, aprender e estudar, não basta simplesmente ser capaz de ler , escrever e passar em exames; qualquer um pode fazer isso. A educação consiste em desenvolver nossa inteligência e criatividade. Sejamos criativos!

“A educação não consiste em preencher um recipiente, mas acender um fogo.” (william butler yeats)

 


4 Comentários

Escreva sem medo – Parte I

 

ESCREVA MELHOR

ALGUMAS DICAS :

 1. Tenha sempre em mente que o tempo do leitor é limitado.

O que você escrever deve ser entendido na primeira leitura. Se você quer que seu trabalho seja lido e analisado por seus superiores, seja breve. Quanto menor o texto, maior a chance de ser lido por eles. Durante a 2ª Guerra Mundial, nenhum documento com mais de uma página chegava à mesa de Churchill.

2. Saiba aonde você quer chegar.

Antes de redigir, faça um esboço, listando e organizando suas idéias e argumentos. Ele lhe ajudará a não se desviar da questão central. Comece parágrafos importantes com sentenças-chave, que indiquem o que virá em seguida. Conclua com parágrafo resumido.

3. Torne a leitura fácil e agradável.

Os parágrafos e sentenças curtos são mais fáceis de ler do que os longos. Mande telegramas, não romances. Para enfatizar, sublinhe sentenças e enumere os pontos principais (como fizemos com essas “dicas”).

4. Seja direto.

Sempre que possível, use a voz ativa.

Voz Passiva – “Estamos preocupados com que nosso projeto não seja aprovado, o que poderia afetar negativamente nossa fatia de mercado”.

Voz Ativa – “Acreditamos que esse projeto é necessário para manter nossa fatia de mercado”.

5. Evite “clichês”.

Use suas próprias palavras.
Clichê – O último, mas não menos importante…

Direto – Por último…

6. Evite o uso de advérbios vagos.

E não esclarecedores, como “muito”, “pouco”, “razoavelmente”.

Vago – O projeto está um pouco atrasado.

Direto – O projeto está uma semana atrasado.

 7. Use uma linguagem simples e direta.

Evite o jargão técnico e prefira as palavras conhecidas. Não esnobe o seu português.

Jargão – Input, Output.

Português comum – Fatos/informações, resultados.

8. Ache a palavra certa.

Use palavras de que você conheça exatamente o significado. Aprenda a consultar o dicionário para evitar confusões. Palavras mal-empregadas são detectadas por um bom leitor e depõem contra você.

9. Não cometa erros de ortografia.

Em caso de dúvida, consulte o dicionário ou peça a alguém para revisar seu trabalho. Uma redação incorreta pode indicar negligência de sua parte e impressionar mal o leitor.

10. Não exagere na elaboração da mensagem.

Escreva somente o necessário, procurando condensar a informação. Seja sucinto sem excluir nenhum ponto-chave.

11. Ataque o problema.

Diga o que você pensa sem rodeios. Escreva com simplicidade, naturalidade e confiança.

12. Evite palavras desnecessárias.

Escreva o essencial. Revise e simplifique.
Não Escreva / Escreva

Plano de Ação /  Plano
Fazer um debate /  Debater
Estudar em profundidade  /  Estudar
No evento de  /  Se
Com o propósito de  /  Para
A nível de Diretoria  /  Pela Diretoria

13. Evite abreviações, siglas e símbolos.

O leitor pode não conhecê-los.

14. Não se contente com o primeiro rascunho.

Reescreva. Revise. Acima de tudo, corte. Quando se tratar de um trabalho importante, faça uma pausa, entre o primeiro e o segundo rascunho, de pelo menos uma noite.

Volte a ele com um olhar crítico e imparcial.

15. Peça a um colega para revisar seus trabalhos mais importantes.

E dê total liberdade para comentários e sugestões.

 Algumas dicas do escritor Stephen King:

  • Vá direto ao ponto – ou pelo menos chegue logo ao ponto. Não desperdice o tempo do leitor com longas introduções e prolegômenos. Não gagueje.

Escreva um rascunho e deixe decantar – depois de escrever o rascunho, guarde por algum tempo, aguarde maturar, e só então revise e prossiga. Isto lhe permitirá ver o texto sob outra perspectiva, diferente daquela sob a qual você o escreveu, e assim facilita aplicar os cortes e edições que você talvez nem perceberia que precisava fazer.

  • Corte seu texto – King fala em cortar 10% do total – foi um conselho que ele recebeu em uma carta de rejeição de um texto seu, no início da carreira, e que seguiu desde então. Remova palavras, frases e capítulos supérfluos.

 

  • Leia muito – precisa explicar? Para escrever bem, é preciso ler bem. Aumentar sua quilometragem, aprender fatos e estilos novos, saber melhor o que fazer (e o que não fazer).

Quer achar uma vaga de emprego? Clique na foto acima e boa sorte! No grupo Catho pode estar o seu novo emprego.


Deixe um comentário

Empresas e livros III

A economia mundial sofre profundas mudanças desde o fim da segunda guerra mundial. É bem verdade que, apenas, nos últimos 40 anos ocorreram mudanças drasticas de direcionamento politico e social. Ainda resistem algumas barreiras iniciadas no século XIX. Tais como o comunismo, o terrorismo e as proteções de mercado que impedem a globalização propriamente dita. Nos Países mais atrasados a miséria social se faz presente nas “crenças”, no analfabetismo e na fome. “Na historia não existem fatos mas somente interpretações” escreveu Nietzche, filósofo alemão, lá nos idos do século XIX. São muitas as especulações sobre um possivel futuro globalizado e  digital. Porém a realidade nos mostra que a escolha individual nunca foi tão grande e as pessoas estão mais conscientes das opções que fazem. Certo e  imutavel é a necessidade que temos de desenvolvimento intelectual e pessoal. Esta evolução passa pela educação e pela cultura. Cada vez mais as empresas terão de estimular a busca de  informação e o desenvolvimento pessoal dos seus subordinados. Estimular o conhecimento e a criatividade. Não há desenvolvimento pessoal, técnico e cientifico que floresça em um ambiente sem livros e informação. A leitura continua sendo a ferramenta mais poderosa. A curiosidade o motor mais portente para a busca das soluções. Não importa a sua posição ou o seu trabalho. Importa, como ele é feito e em que espécie de ser humano você pretende se transformar. E esta transformação pode começar em um simples ato: Abrir um livro e ler. Ter a curiosidade de descobrir o que você gosta e o que pode fazer você melhorar  sua expressão verbal e escrita. E ai esta o pulo do gato. Saber expressar-se na escrita e verbalmente. Pode estar nestas qualidades a grande diferença entre estar “empregado” e estar “desempregado”. Saber redigir de forma simples e objetiva um “Curriculum” pode ser a diferença entre conquistar uma vaga e continuar no limbo profissional. Enquanto alguns paises, como Chile e Japão, adotam, cada vez mais, politicas de educação e desenvolvimento pessoal, o Brasil continua estimulando o analfabetismo e dificultando o acesso da população aos livros. Ainda somos um País de analfabetos, infelizmente. Analfabetos funcionais são mais de 20% da população. E este analfabetismo atinge “doutores” e afins. Não é uma exclusividade dos mais iletrados. Cabe as empresas ajudarem no desenvolvimento dos seus empregados. Organizando politicas culturais e adotando o “LIVRO” como ferramenta de desenvolvimento. Fazendo com que seus funcionarios atuem de maneira criativa. Descobrindo soluções e atuando socialmente. Estimulando a leitura e a busca de informação. Hoje, mais do que nunca, no lugar das grandes massas e da generalização, surgiram centenas de pequenos e novos grupos sociais que se unem por interesses comuns.  Façamos do livro um interesse comum.

Obrigado e boa leitura.

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 56 outros seguidores