Mindset – qual é o seu?

mindset  Uma das maiores especialistas no campo da psicologia social e da psicologia do desenvolvimento, atualmente lecionando na Universidade  Columbia, Carol S. Dweck é destes personagens a quem o poeta Ezra Pound chamou de antenas da raça. Através do seu mais recente trabalho ela nos mostra que apenas habilidade e talento não são suficientes para a construção do sucesso. Seu mais recente livro “Mindset – a nova psicologia do sucesso” é um choque de alta voltagem para todos aqueles que buscam e necessitam de uma chave para maior compreensão daquilo que nos cerca e dos caminhos que escolhemos na vida. Vou mais além e acredito que o trabalho de Carol Dweck é um divisor de águas neste inicio de século. É a prova científica de que o capitalismo e a nova revolução tecnológica só conseguirão triunfar se estiverem embasados num forte humanismo e numa perspectiva mais abrangente. Onde cada um colabora e constrói dentro de suas capacidades sem medo de opinar e aprender. A história da construção social desde o final do século XIX até o final do século XX tem sido uma luta incessante pela busca do Mindset de crescimento.  Uma luta terrível contra aqueles que acreditam que as habilidades não mudam e que não se alteram ao longo da vida (“Mindset fixo”). Um luta enorme para que a humanidade entenda e compreenda conceitos como a “humildade” e o “conhecimento” como fonte da igualdade entre os povos. Sem poupar esforços, Carol Dweck promove o encontro do humanismo com a ciência naquilo que temos de mais abrangente: a criatividade. Nenhuma empresa será a mesma após tomar consciência de que os valores humanos e a colaboração de todos fazem a diferença nos resultados.

Líderes de Mindset Fixo em ação:

(…)”Os funcionários de Iacocca haviam estudado detalhadamente a Honda e fizeram excelentes sugestões a ele. Mas em vez de aceitar o desafio e produzir automóveis melhores, Iacocca, atolado, em seu mindset fixo, respondia com críticas e desculpas. Passou à ofensiva, proferindo raivosos comentários contra os japoneses e exigindo que o governo americano impusesse tarifas e cotas que os detivessem. No final confirmou-se a suspeita de que ele colocava seu ego à frente do bem-estar da empresa. E deu no que deu…..

P.S – Quando a Chrysler começou a ter problemas, Iacocca receou que seus subordinados fossem considerados os novos salvadores da empresa e tratou de se livrar deles. Temia ser apagado da história da Chrysler.

Líder de Mindset de crescimento em ação:

Vale resumir aqui o que deve ser um líder de mindset de crescimento num exemplo claro; opinião de Steve Bennet, Ceo da Intuit:

“Aprendi a instruir os funcionários quando estive na General Electric com Jack Welch. Ele se dirigia diretamente aos funcionários que estivessem na linha de frente a fim de saber o que estava acontecendo. Em certo momento, no início da década de 1990, eu o vi em uma fábrica de refrigeradores em Louisville. Ele foi diretamente a linha de montagem para ouvir o que eles tinham a dizer. Converso frequentemente com os empregados da linha de frente. Aprendi isto com Jack.”

P.S – Quando Jack Welch assumiu a GE, em 1980, a empresa estava avaliada em 14 bilhões de dólares. Vinte anos depois, Wall Street estimou-a em 490 bilhões de dólares. Era a empresa mais valiosa do mundo.

Mindset não é um mero traço de personalidade, ele define nossa relação com o trabalho e com as pessoas. É um fator decisivo para que todo o nosso potencial seja explorado.

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Pode a literatura ensinar decisões de negócios?

ilhabooks

Uma das vantagens da revolução tecnológica é que o conhecimento e a informação tem alcançado cada vez mais audiência. A desvantagem é que estas informações tem encontrado barreiras antigas para ajudar o desenvolvimento social e cultural das pessoas. Nunca tantos puderam compartilhar o que há de melhor na ciência e na criatividade humana. Entretanto, nunca tantos utilizaram/manipularam a informação como mera distração ou propaganda. Na realidade, os problemas continuam os mesmos para a maioria das pessoas. Problemas que tem sua raiz na péssima educação e na falta de estímulo para a criatividade. Acrescidos, nestas últimas décadas, de um enorme narcisismo e necessidade de ser um “vencedor”. Mudando de cenário, acredito que poucas são as empresas que estimulam a literatura dentro de seus departamentos. Há inúmeras estratégias para encorajar os “colaboradores”. Treinamentos na selva e palestras que despertem a criatividade e o desenvolvimento emocional, vale tudo. Porém, não há o incentivo necessário para que se busque o conhecimento e a liberdade criativa, e não apenas o dito “diploma”. Liberdade esta que muitas vezes tem sido a diferença crucial para o sucesso em diversos campos!  E como esta liberdade criativa fez diferença na ciência do século XX! Na descoberta do processo da fissão nuclear, tão bem desvendado por Lise Meitner durante uma caminhada. Ou até mesmo da “vadiagem” de Einstein durante um ano. Viajando pela europa sem destino e depois estudando variadas matérias na Universidade de Pavia. O resultado todos conhecem: “A teoria geral da relatividade” – tida como a mais bela das teorias. E nem vamos falar da incrível Emmy Noether que realizou os cálculos que comprovaram esta teoria para Einstein. Enfim, é irônico que estas grandes descobertas dependam de uma única afirmação : “Quem não perde tempo não chega a lugar nenhum!”

E não é isto o que muitos dizem e sentem em relação aos livros e à própria literatura? Perda de tempo! Entretanto, aos poucos esta “realidade” vem sendo revisitada e empresas como a Calypso Technology apostam cada vez mais na literatura como base inspiradora para insights e o relacionamento entre as pessoas dentro da empresa. No link abaixo indicamos uma entrevista do professor de ética Joseph L. Badaracco, da Harvard Business School. ( Entrevista do professor Baracco)

Não é engraçado que empresas “tecnológicas” estejam buscando nas coisas antigas o “segredo” para seu continuo desenvolvimento. Estimulam a liberdade de expressão, a necessidade do ócio criativo e a importância da literatura. Enfim, descobrem e continuam a reafirmar que apesar de todo este nosso “modernismo” não passamos de seres feitos de carne e osso e que precisamos de fantasia e sonhos para continuar evoluindo.

Por isso um dos nossos objetivos é compartilhar informação e ajudar as pessoas a descobrir através da literatura um meio para evoluir e superar suas limitações.

Quer saber mais? Contate-nos.  Palestra gratuita*- consulte para saber mais.

Contato: nogueira2974@hotmail.com

*Durante o ano oferecemos 2 palestras gratuitas. Uma para empresas e outra para escolas públicas/municipais/particulares.

 

 

Ilhas de criatividade I – Empresas & livros

Nenhum homem é uma ilha isolada; disse o poeta inglês. Nenhuma empresa é uma ilha de excelência sem colaboradores criativos. Talvez por isso o mercado editorial explore tanto o tema “Criatividade”. Livros como o de Julia Cameron, “Criatividade a mina de ouro”, que trabalha o desenvolvimento da criatividade em diversas areas ganham espaço nas prateleiras. Martin Scorcese indicou o livro nas escola de cinema de Hollywood e Spielberg o indicou aos colaboradores do seu estudio. Enfim…a lista é imensa e a criatividade esta no topo dos temas empresariais. Sem ela não havera empresas duradouras. Nem colaboradores dispostos a permanecer por muito tempo na mesma vaga. Este problema é uma consequência direta das conquistas tecnológicas dos ultimos tempos.  Portanto, comece a examinar sua empresa, micro, pequena, média ou grande, e busque na criatividade a sua evolução. Crie sua ilha. De que forma? Inicialmente criando um espaço para leitura e incentivando a busca e troca de informações. Não apenas informações técnicas mas que abordem areas distintas do conhecimento. Incentive seus colaboradores a buscarem e conhecerem outros assuntos. Promova no seu espaço a liberdade de pensamento e criação. É isto que empresas como a Aple e a Microsoft fazem. E será esta a causa “mortis” de outras nos próximos anos se não mudarem seus paradigmas. Por isso, comece a incentivar dentro do seu espaço os livros. Porque são eles a ferramenta mais barata e ao alcance das mãos de qualquer empresa ou empreendedor deste planeta. É verdade, existem os Tablets, Pcs, Smart phones e afins, mas existe apenas um objeto ao longo dos tempos que permanece como retentor do conhecimento humano: O Livro. Democratico e sempre pronto para o bom diálogo. Portanto, incentive-o no ambiente de trabalho. Descubra o poder criativo que ele desperta. Explore a mina de ouro chamada criatividade. Abra espaço para novas idéias e deixe que sua empresa vá além do lucro…surpreenda seus clientes. Mostrando que mais do que produtos sua empresa gera idéias…e idéias podem mudar o futuro. Porque o que precisamos nesta imensa “empresa” chamada mundo é de pessoas especializadas no impossível.

Pense nisto…

 M.N.

 

Como apresentar relatórios – Que tal escrever melhor?

 Muitas vezes sentimos a garganta apertar e o corpo todo sacolejar ao som de um pedido: Preciso de um relatório! Você tem até amanhã de manhã para apresentá-lo! E agora?   Para muitos o simples fato de escrever significa uma epopéia. Mas a verdade é que isto pode ser simples se forem observadas algumas regras. Vamos colocar algumas delas para que o seu relatório saia com profissionalismo e elegância.

1º – A complexidade do assunto e o público determinam o tamanho do relatório. Alguns não terão mais de uma página. Em relatórios pequenos não há necessidade de uso de “sumário”, “prefácio” ou “anexos”.

2º – Uma boa folha de rosto “vende” um belo relatório. A folha de rosto é o primeiro contato do leitor com o relatório. Por isso, deve ser bem feito para conquistar o leitor.

3º – Antes de tudo faça um “Resumo executivo”. Versão condensada do relatório. Este resumo deverá estar logo após a folha de rosto.  Comece o texto com um paragrafo curto (3 ou 4 linhas) com a tese do relatório. Depois apresente os dados objetivos que confirmam a sua tese. Utilize um paragrafo de até 4 linhas ou dois paragrafos de no máximo 3 linhas cada. Ao final coloque as medidas a serem adotadas, custos financeiros destas medidas, em no máximo 6 linhas.

Sumário – Não confunda sumário com índice. Índice é a lista detalhada dos assuntos. Sumário é a organização em úcleos temáticos e a indicação posterior das seções e respectivas páginas. É através do sumário que o leitor entrara em contato com o relatório. O sumário deve ser feito para relatórios com mais de cinco capítulos.

Prefácio – É a ficha técnica do relatório. Nele deve constar: Quem solicitou o relatório, quem foi o responsável pela elaboração do texto, departamentos que contribuiram, documentos que ele invalida ou substitui, modificações técnicas significativas, a estrutura do trabalho, como foi subdividido e os anexos.

O Objetivo – Nesta parte concentre-se apenas na informação que deve ser passada ao leitor. Direcione as informações para a área ou diretoria que solicitou o relatório.

Texto Principal – Na introdução identifique o solicitante, defina o objetivo do trabalho e exponha os motivos. No corpo do texto apresente os dados, análises e argumentos. Desenvolva o texto através de tópicos. Na conclusão, se o chefe ficar convencido das informações, basta recapitular os principais argumentos. Não deixe de recomendar as ações necessarias…isto fortalece e mostra criatividade no trabalho.

Os anexos – Os anexos deixam o seu relatório mais leve. Os anexos deverão conter as informações importantes que deixariam o seu texto principal muito carregado. Os anexos também ajudarão nas decisões tomadas após a leitura do relatório.

 Procure incluir no relatório análises, comentários e sugestões. Isto mostrara que você esta empenhado e contribui de forma criativa para a melhora da empresa. Deixe informações acessórias para os anexos. Se houver muita informação a ser repassada, não coloque tudo no texto principal.

No sumário utilize palavras-chave para que o leitor saiba os temas tratados.  

 

Livros & Prisão = Escritores (Em alguns casos…)

 Escritores que tiveram contato com o mundo do crime encantam um grande número de leitores. A experiência da marginalidade é o combustivel de autores como Edward Bunker, Plinio Marcos, João do Rio e tantos outros. Há os que estão do outro lado da situação, como Rubem Fonseca, grande autor policial, que foi delegado de policia e investigador. Mas isto é outra história…No caso de escritores como Bunker e Himes, a cadeia veio em consequência de crimes praticados contra terceiros.  Chester Himes passou 07 anos na cadeia, após assalto a mão armada, e veio a se consagrar como autor do livro “O passado fará você chorar”. Himes descreveu no livro “O passado fará você chorar” a vida na prisão. Hoje é um dos grandes autores americanos, reconhecido mundialmente. Da França, temos o exemplo de Jean-Claude Izzo, que publicou seu primeiro romance aos 50 anos. Depois de uma vida nas ruas de Marselha. O que impressiona é que  estes escritores citam, em suas obras, a literatura como uma espécie de salvação. Uma forma, tardia, de educação da alma. Diria Flaubert: Educação Sentimental. Porém o livro atinge a alma do encarcerado, lugar onde o direito não chega.  A revolta explode em forma de criatividade e surge o escritor. Obviamente que o talento, este sempre nato, recebe um empurrão da leitura e aflora. Mas para aqueles cujo o exercicio da escrita é tortura nasce uma semente: a curiosidade. Através dela surge o leitor curioso. E deste leitor, pode apostar, um homem melhor. Porque não há ser humano que resista aos apelos da arte. Seja escrita, tocada, encenada ou pintada. Verso ou prosa. Sempre há de nascer algo bom deste encontro. Talvez seja por isto que as ditaduras controlem a escrita e o cinema. Zelando para que a ignorância e a ilusão sustentem o regime. Não há o que segure o “homem educado”! Aquele que persegue a luz da própria consciência e examina a si mesmo. Sem esperar de “outros mundos” e salvadores a sua própria redenção. Há, também, os simplistas que afirmam nascer a criatividade de dois fatores: Tempo e falta do que fazer. Conheça abaixo alguns autores e livros que nasceram na prisão:

Thomas Malory, romancista inglês, publica em 1485 o livro “A morte de Arthur”, escrito em 1465, quando o autor cumpria pena em Londres. Malory é o autor mais famoso sobre as histórias do Rei Arthur.

Marco Polo, famoso explorador, passou 01 ano preso após regressar da China. Neste periodo, ditou a um amigo da cadeia o livro “Viagens de Marco Polo”.

Miguel de Cervantes, autor de “Dom Quixote”, escreve na prisão, aonde passou 03 meses, os primeiros capítulos de uma das maiores obras-primas da humanidade.

Jean Genet, famoso e cultuado autor marginal, viveu treze anos encarcerado, tendo escrito “Nossa senhora das Flores”, um dos seus livros mais famosos.

Dostoievski, é talvez o simbolo desta literatura, teve a pena de morte comutada para prisão. Na prisão, em plena revolução russa, escreveu “Crime e castigo”, “O idiota” e outros clássicos. Em 1960 foi considerado um autor universal.

Graciliano Ramos, nosso representante brasileiro, amargou na ditadura Vargas um periodo de 09 meses na Ilha Grande. Tendo escrito após a experiência o romance  “Memórias do Carcere”.

Chester Himes, 07 anos preso, roubo a mão armada. Autor de “O passado fará você chorar” e considerado um dos maiores escritores do século XX.  Faleceu em 1984, na Espanha. Seus livros estão sendo traduzidos para o português e lançados no Brasil.

Boa leitura!

 

 

 

Projeto Remição pela Leitura

Leitura Para reduzir pena de presos e ressocialização.

 A Secretaria de Estado da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos recebeu 12 minibibliotecas destinadas ao Projeto Remição pela Leitura, que será implantado nas unidades do sistema penitenciário em maio. A doação foi feita pelo diretor da Biblioteca Pública do Paraná, Rogério Pereira. “Essas minibibliotecas vão enriquecer o acervo já existente nos estabelecimentos penais e são uma importante contribuição para que o apenado possa ter acesso a uma variedade maior de títulos, ampliando e adquirindo conhecimentos que, certamente, permitirão uma vida mais digna no retorno ao convívio social”, afirma a secretária Maria Tereza Uille Gomes. O projeto proporciona o direito ao conhecimento, à educação, à cultura e ao desenvolvimento da capacidade crítica por meio da leitura e da produção de resenhas. Resultando, também, redução da pena. Excelente iniciativa que deve ser copiada por outros estados. É claro e objetivo que os livros podem cumprir uma importante função neste País de péssimos indices educacionias e culturais. O projeto Remição pela Leitura está previsto na Lei de Execuções Penais explica a coordenadora de Educação e Qualificação Profissional / PDI Cidadania da Secretaria da Justiça, Claudia Cristina Muller. As 24 unidades penais vinculadas à secretaria vão participar, beneficiando todos os apenados alfabetizados interessados.  Os presos com ensino fundamental deverão fazer relatórios de leitura e aqueles do ensino médio e pós-médio deverão produzir resenhas, compreendendo resumo e apreciação crítica. Uma comissão de professores dos Centros de Educação Básica para Jovens e Adultos (Ceebjas) fará a avaliação dos trabalhos.  A operacionalização do projeto deverá obedecer a um cronograma mensal. Nos primeiros dias do mês o participante escolhe o livro e tem um prazo de 20 dias para fazer a leitura e mais 10 dias para elaborar a resenha e submetê-la à avaliação da comissão. A cada livro e a cada relatório de leitura ou resenha elaborada, avaliada e aprovada pela comissão, o apenado terá três dias de remição de sua pena. Acreditamos que esta seja uma das iniciativas mais importantes das últimas decadas no campo da ressocialização. Uma biblioteca pode fazer enorme diferença na educação dos presos. Infelizmente a opção do crime acaba sendo a única via para aqueles que estão marginalizados pelo sistema. Diz o velho ditado, mais escolas, menos cadeias.  É necessário, agora, que os presos sejam estimulados a melhorar sua condição cultural e educacional. Para que possam exercer na sociedade um papel construtor e de progresso. Percebendo a diferença, imensa, que existe entre a ignorância e o conhecimento. Só através do conhecimento conseguirão avançar à uma vida digna e criativa. O projeto é um avanço que nos deixa feliz….afinal…nós acreditamos que somente os livros podem fazer a diferença neste País de desigualdades sociais.

Bela iniciativa….

Cultura News – Mercado Editorial por Pedro Herz

Reproduzimos abaixo o texto de apresentação escrito pelo Diretor Geral da Livraria Cultura. Esta livraria é referência para nós. Não poderiamos deixar de prestigiar e levar adiante, aos leitores, de cidades distantes, onde não há uma livraria cultura, as palavras deste empreendedor:

articipei, recentemente, de um encontro de empresários a convite do jornal O Estado de S. Paulo, o Estadão PME. Entre as discussões levantadas, falou-se bastante sobre a acirrada concorrência entre as empresas de todos os setores. Notei que muitos acham que a única forma de ganhar mercado é simplesmente reduzindo preços, estratégia com a qual não concordo muito, pois nem sempre o mais barato é o melhor. É preciso saber que outros diferenciais têm valor. Entre eles, estão a qualidade do atendimento e a fidelização do cliente por meio de uma experiência agradável de aquisição; cada vez mais, o consumidor contemporâneo nota que sua plena satisfação conta muito e pode estar além da pura relação de compra e venda. Quando vamos a um restaurante, por exemplo, não adianta só a comida ser gostosa. Acho que é fundamental valorizar e investir fortemente na qualidade dos serviços prestados, uma equipe bem informada e preparada faz muita diferença; inclusive, acredito que a formação adequada de colaboradores é uma questão de cidadania. Somente a boa educação poderá tornar as pessoas melhores, até mesmo como cidadãos para a construção de um mundo melhor. Nesta primeira edição de 2012, trouxemos um tema bastante falado (reportagem de capa, página 32): o fim do mundo! Não deixe de ver a lista de filmes que abordaram a questão, dos clássicos aos mais recentes; garanto que irão propiciar boas discussões e até risadas. Não perca também a entrevista (página 18) com a fantástica Inezita Barroso. Boa leitura!

Pedro Herz

Fonte: Cultura News – janeiro 2012 – www.culturanews.com.br