Meissen & Sèvres – Guias para reconhecimento – Aprenda a indentificar a sua porcelana.

MEISSEN_capa-enMEISSEN_alta

SEVRES_capa-altaColecionadores, iniciantes e veteranos, geralmente enfrentam problemas para reconhecer e identificar marcas de porcelana. No mercado editorial brasileiro é quase impossível encontrarmos publicações, em português, disponíveis que ajudem na identificação e datação das peças. O maior problema é identificar as marcas falsas e as que se confundem com a original pesquisada. Pensanso nisto, a Nogueira Editorial, lançou, em formato e-book, três guias com marcas e dicas para reconhecimento. Tratam-se dos guias:

Porcelana de Meissen – Marcas e dicas para reconhecimento (versão em português / portuguese)

Meissen Porcelain – Trademarks and Tips for identification ( Inglês / English version)

Porcelana de Sèvres – Marcas do século XVIII (versão em português / portuguese)

Os guias trazem as marcas que se confundem com as originais e as falsas. O que facilita bastante a identificação das porcelanas originais. Essencial para Colecionadores e apreciadores. A intenção da editora é aumentar o leque de publicações sobre antiguidades. Você pode compra-los no site da amazon. Basta clicar nas fotos ou visite http://www.amazon.com

Boa leitura!

Read english version:

Collectors, beginners and veterans, often face problems to recognize and identify porcelain marks. In the Brazilian publishing market is almost impossible to find publications in Portuguese, available to help in the identification and dating of the pieces. The biggest problem is to identify the false marks and can be mistaken for the original search. Now, Nogueira Editorial, launched in e-book format, with three tabs brands and tips for recognition. These are the guides:

Porcelana de Meissen – Marcas e dicas para reconhecimento (versão em português / portuguese version)

Meissen Porcelain – Trademarks and Tips for identification ( Inglês / English version)

Porcelana de Sèvres – Marcas do século XVIII (versão em português / portuguese version)

The guides bring the brands that are indistinguishable from the original and the fake. What greatly facilitates the identification of the original porcelain. Essential for collectors and connoisseurs. The intention of the publisher is to increase the range of antiques on publications. You can buy them on Amazon‘s website. Just click on the photo bellow:

MEISSEN_capa-en

Happy reading!

 

Anúncios

O Homem à margem do humano – Carlos Droguett e Julio Ludemir –

ludet

O que tem em comum a literatura do escritor chileno Carlos Droguett e do pernambucano Julio Ludemir? O primeiro é um dos grandes autores da literatura latino-americana. Nasceu em Santiago em 1915 e faleceu na Suíça em 1996. O outro, vem lançando livros importantes quando o tema é o submundo carioca. Nascido em 1960, Julio Ludemir tem em comum com Droguett uma paixão : O jornalismo. Droguett trabalhou como jornalista durante muitos anos e era formado em Ciências humanas. Mas o que se torna ponto de convergência destes escritores? Certamente, os personagens que viveram à margem da sociedade e demonstram bem o substrato fundamental do mundo latino americano antes e depois da ditadura militar. Em 1960 Droguett escreveu o clássico “Eloy”, lançado em português pela Codecri em 1981, com tradução de Cecília Zokner. Eloy, Eleodoro Hernández Astudillo,  é uma lenda do submundo chileno com mais de 21 assassinatos e diversos roubos, morto pela polícia em 1941. O autor recria, de forma lírica, os últimos momentos da vida do bandido. Ambos, Droguett e Ludemir, alcançam uma contundente realidade pelo modo narrativo e na maneira humana como expõe os dilemas e sentimentos dos personagens diante do contexto social que os rodeia. No caso do livro  de Julio Ludemir – “O bandido da Chacrete” –  mostra a ascensão e queda de Paulo Cesar Chaves. Lenda no submundo carioca, fundador do comando vermelho, e um homem que descobre, na velhice precoce, que o crime não compensa. Já o personagem de Droguett, Eloy, é retratado em meio a uma caçada policial nas montanhas. Durante sua fuga uma série de evocações revelam suas ânsias mais primitivas e sua necessidade de comunicação com o outro. Ambos os autores brindam o leitor com personagens míticos e bastante humanos. A sensação que o leitor tem ao terminar, ambos os livros, é de que o autor redimiu a si mesmo e o leitor reencontrou seu lugar no mundo.

Marcel Pinie (autor do livro “O mal de Caravaggio”)

Design Brasileiro

Nogueira Editorial

Sergio Rodrigues um dos maiores designers do mundo reflete sobre a maneira de fazer e pensar o design. Pretendemos apresentar alguns posts sobre o design brasileiro. Esperamos com isso contribuir para a informação e melhor avaliação de colecionadores, arquitetos, decoradores e afins.

“Ninguém cria sozinho. Nenhum móvel que fiz poderia ser executado por mim”

Um dos maiores designers brasileiros, autor da premiada poltrona Mole, Sergio Rodrigues tem duas paixões: o desenho, herdada de seu pai, Roberto Rodrigues, e a madeira, da qual aprendeu a gostar com um tio-avô. Ele passou a vida desenhando móveis com formas torneadas e volumes generosos, que refletem brasilidade. Para falar sobre a criação de suas peças, sobre suas fábricas de mobiliário – como a Oca e a Meia Pataca – e suas casas de madeira, entre outros assuntos, Sergio Rodrigues recebeu PROJETO DESIGN em seu ateliê, no bairro do Botafogo, Rio de Janeiro.
 
TRAJETÓRIA…

Ver o post original 2.228 mais palavras

A Festa da insignificância – Milan Kundera –

festa

A edição limitada, capa dura, do livro de Kundera é como uma guloseima, numa confeitaria centenária, cuja receita é trancada a sete chaves e o segredo vem de gerações. O detalhe chato é que só é produzida de tempos em tempos. Kundera é assim. De tempos em tempos ele nos brinda com uma guloseima literária. A festa da insignificância, 2013, editada no Brasil pela Companhia das letras, é o doce do momento para os leitores deste autor Tcheco, radicado em Paris desde 1975. Demorou, pois desde 2002 ele não publicava uma ficção. Kundera é daqueles escritores que dominam o espaço interno e externo de suas tramas. Vai além de um mera descrição ou caracterização. Para os leitores antigos, A festa da insignificância perturba tanto quanto o romance “A brincadeira”, lançado pelo autor em 1967 na cidade de Praga. Para o autor, no romance “A brincadeira”, a vida não passa de uma brincadeira. Um longo ato de amor pode ser de fato um ato de ódio. Entre a realidade e o que parece ser a realidade interpõe-se toda uma gama de possibilidades.  Passados 47 anos o autor nos brinda com a resposta a todos estes questionamentos através de quatro vozes. Os quatro amigos, que se encontram numa festa esquisita, questionam o mundo atual e a si mesmo com ironia e inteligência. Destes questionamentos resta a fina ironia e a tristeza da insignificância. Que nas palavras do autor, servem de resposta incondicional, aos questionamentos deste mundo pós comunismo e de uma sociedade que coloca no umbigo o centro do erotismo. “A insignificância, meu amigo, é a essência da existência. Ela está conosco em toda parte e sempre. Ela está presente mesmo ali onde ninguém quer vê-la: nos horrores, nas lutas sangrentas, nas piores desgraças. Isso exige muitas vezes coragem para reconhecê-la em condições tão dramáticas e para chamá-la pelo nome. Mas não se trata apenas de reconhecê-la, é preciso amar a insignificância, é preciso aprender a amá-la”.

M.P.

Ricardo Piglia – O caminho de Ida da literatura Argentina

ricardo

Ricardo Piglia é um dos autores argentinos mais importantes do momento. Nascido em Adrogué, Província de Buenos Aires, é autor de “Respiração Artificial”, “Dinheiro queimado” e outros. O texto de Piglia é das antigas, com narrativa linear e tramas que mesclam  literatura policial e o aprofundamento psicológico dos personagens. Ele narra e descreve  dand0 fluidez e agilidade à história – dois elementos imprescindíveis em um bom romance policial. Mas engana-se quem pensa que os livros de Piglia sejam de fácil leitura.  Avesso às experimentações, o argentino Piglia é um típico herdeiro da literatura latina e dos autores eruditos. A mistura Borges, Greene e literatura Noir garantem histórias de tirar o folego. Uma delas pode ser conferida no cinema: “Plata Queimada”.  Piglia transita entre os meandros da literatura argentina e nos apresenta um intercâmbio entre as ideias contemporâneas e as ideias intelectuais antigas. Autores desconhecidos do grande público, como Arlt e Enrique Ossorio,  também costumam aparecer em suas histórias. Em “Respiração Artificial”, uma das metáforas mais sombrias dos nossos tempos, em que precisamos de um ar artificial para poder sobreviver, acompanhamos Renzi, espécie de alter-ego do autor, navegar por entre vozes e textos de uma argentina esquecida e sonhada. É o mesmo Renzi que retorna agora no romance  “O caminho de volta” para dar um seminário sobre W. H. Hudson, numa Universidade americana da Costa Leste. Mas isto é uma outra história.

 

Porcelana de Meissen – Marcas & dicas para reconhecimento

 

 

MEISSEN_capa_baixaUm guia pratico, escrito em português e ricamente ilustrado. Traz as marcas oficiais da manufatura de Meissen e as marcas que imitam as famosas espadas cruzadas. Editado em formato e-book pela Nogueira Editorial. Essencial para colecionadores, pesquisadores e entusiastas da porcelana alemã. A editora em breve pretende lançar uma série de guias tendo como tema a porcelana europeia. Você pode adquirir o e-book no site da Amazon, Mercado Livre ou na pagina da editora no Facebook.

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/nogueiraeditorial?ref=hl

site da editora: http://www.nogueira-editorial.weebly.com

Compre no MercadoLivre: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-576841537-ebook-porcelana-de-meissen-marcas-e-dicas-para-reconheciment-_JM

Compre na Amazon: http://www.amazon.com.br/Porcelana-Meissen-Marcas-dicas-reconhecimento-ebook/dp/B00LH3QH7O/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1406501973&sr=8-1&keywords=meissen

Capa: Projeto gráfico de Daniele Lugli.

– Porcelana de Meissen – Marcas e Dicas para reconhecimento –

Nogueira Editorial

marcelUma das vantagens da Internet é a chance que temos de difundir e aprender sobre novos assuntos. É possivel o acesso a obras raras e que dificilmente estariam a nossa disposição. Hoje os colecionadores conseguem pesquisar e avaliar melhor suas aquisições com poucos cliques. Obviamente que o desejo de aprender é o combustivel para esta busca. Porcelanas seduzem desde a antiguidade. Reis, Rainhas e Imperadores cobiçavam este tesouro desenvolvido por alquimistas.  Um dos objetivos deste livro é disponibilizar informações para colecionadores e interessados que desejam melhorar suas coleções. A Amazon esta disponibilizando este e-book para Kindles e Ipads. Mostrando as marcas falsas e as que imitam a marca original da manufatura alemã.  O E-book sobre a porcelana de Meissen esta em português. Em breve será lançado a versão em inglês. Ricamente ilustrado com as marcas. Ferramenta util e de grande importância para colecionadores e comerciantes. Em breve a editora pretende lançar outros títulos.

Meissen –

Ver o post original 17 mais palavras